Tech Zone

Mortos em seita de jejum sobem para 201

Mortos em seita de jejum sobem para 201
Foto: REUTERS/Stringer

Mortos em seita de jejum sobem para 201 – Subiu para 201 o número de pessoas mortas em práticas de jejum extremo promovidas por uma seita religiosa no Quênia, informou no sábado a prefeita regional, Rhoda Onyancha. O total foi contabilizado após a descoberta de mais 22 corpos.

Os mortos faziam parte da Igreja Internacional das Boas Novas. O fundador da igreja, Makenzie Nthenge, incentivou os seguidores a fazerem jejum total “para conhecer Jesus”, segundo as investigações.

Rhoda Onyancha afirmou que 26 pessoas já foram detidas por envolvimento no caso, incluindo Nthenge, que foi preso em 14 de abril, após a descoberta das primeiras fossas.

Entre os detidos, estão também membros de uma “gangue de capangas”, que vigiavam para que ninguém quebrasse o jejum ou tentasse fugir da floresta de Shakahola (local das mortes), acrescentou a prefeita.

Ela disse ainda ter recebido denúncias de cerca de 600 pessoas desaparecidas — algumas delas de aldeias próximas à floresta. Também afirmou que as buscas por outros corpos serão interrompidas por dois dias para reorganizar a investigação. A procura será retomada na terça-feira (16).

O que já foi encontrado

As necropsias feitas até o momento revelaram que a maioria das vítimas, incluindo várias crianças, morreram de fome, embora também haja indícios de pessoas estranguladas, espancadas ou sufocadas, segundo o legista do governo, Johansen Oduor.

Parte dos corpos localizados no início das buscas estava em uma vala comum na floresta de Shakahola, onde o grupo costuma se reunir para realizar cultos. Os investigadores chegaram à região após uma denúncia.

No dia 23 de abril, uma mulher que se recusava a ingerir alimentos e com sinais de fraqueza foi encontrada e levada por autoridades a um hospital.

Outros 11 fiéis, sete homens e quatro mulheres de entre 17 e 49 anos, tinham sido hospitalizados na semana anterior,após também serem encontrados na floresta.

Uma fonte policial afirmou no fim de abril que Nthenge, fundador da igreja, havia iniciado uma greve de fome e que estaria “orando e jejuando” durante a prisão.

Em um relatório no início das investigações, a polícia apontou ter recebido informações sobre várias pessoas “mortas de fome com o pretexto de conhecer Jesus depois que um suspeito, Makenzie Nthenge, pastor da Igreja Internacional da Boa Nova, fez nelas uma lavagem cerebral“.

De acordo com a mídia local, Makenzie Nthenge já havia sido detido e indiciado no mês passado depois que duas crianças da seita morreram de fome. No entanto, ele pagou uma fiança de 100.000 xelins quenianos (cerca de R$ 3,7 mil) e foi liberado.

Via G1

Portal Jatobá

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Prefeitura de Jatobá