ESPECIALISTAS EXPLICAM: Se álcool combate o vírus, por que não surgiu remédio contra covid?

0
ESPECIALISTAS EXPLICAM: Se álcool combate o vírus, por que não surgiu remédio contra covid?
Foto: RAUL MARTÍNEZ/EFE/09-06-20

Em um corredor de supermercado, diante da prateleira com potes de álcool em gel, a menina pergunta, intrigada: “Se o álcool e o sabão matam o coronavírus fora do corpo, por que não se consegue encontrar um remédio que mata o coronavírus dentro do corpo?”

A pergunta, ingênua, carrega, no entanto, doses da ansiedade humana em desvendar o desconhecido e logo transformá-lo em descoberta. Algo muito comum no imaginário das crianças. E também dos cientistas.

A questão é que, mais amadurecido diante dos mistérios, o cientista aprendeu que há todo um caminho por trás das aparências, que até pode ter como alicerce a imaginação, mas que precisa fazer da hipótese uma confirmação.

E, em um momento de emergência, como o da busca por um remédio que combata o novo coronavírus, para enfim controlar a atual pandemia, a ansiedade fica mais latente. Mas ela necessita do suporte do laboratório, em um trabalho que leve em conta as diferenças do combate ao vírus dentro e fora do organismo, conforme explica o consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia, Hélio Arthur Bacha.

“Não se trata de trabalhar com cultura de células, mas com o organismo humano, com um corpo e reações. Uma coisa é neutralizar uma cultura de células fora do organismo, outra é buscar uma terapia dinâmica em um ser vivo, que a combata dentro do corpo. O álcool e o sabão agem no RNA do vírus fora do corpo. A ação de um medicamento não é só contra o vírus, é dentro de um sistema complexo, onde o vírus se multiplicou, envolve hormônios, produção de anticorpos que dão um tipo de resposta, é um complexo de produtos biológicos”, diz.

Para ele, este tipo de pergunta, aparentemente pueril, pode mesmo levar a pensamentos ludibriados pela própria ansiedade. E baseados em fórmulas simplistas.

“O vírus se multiplica dentro da célula, uma coisa é a desnaturação do vírus na superfície, outra é dentro da célula. Não podemos nos basear na chamada medicina de conhecimento positivo, fora da clínica, mas sim naquela baseada em evidências. Há 100 anos a medicina abandonou esse tipo de prática. Antes se fazia medicina baseada em teoria fora da clínica, mas isso mudou e agora ela é feita com base na evidência”, ressalta Bacha.

Tempo de observação

Até o momento, os laboratórios não encontraram um medicamento que neutralize a covid-19 de forma direta e eficiente. Os tratamentos mais indicados são baseados no suporte de oxigênio, para casos mais graves e pacientes de alto risco devido a comorbidades, e apoio respiratório, como ventilação, em casos mais críticos.

Um medicamento que tem mostrado alguma eficácia é a Dexametasona, que pode contribuir com a redução da necessidade de ventilação. Outro aprovado é o Remdesivir, indicado em alguns casos onde haja internação e que pode amenizar a ação do coronavírus.

Medicamentos, como os analgésicos e os antipiréticos, também estão aptos para o tratamento, mas voltados apenas para o alívio de sintomas. Nem o Remdesivir, no entanto, está mostrando uma eficácia definitiva, como afirma Renato Kfouri, vice-presidente da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações).

“São raros aliás os vírus que têm antivirais. Para covid-19 não tem, para outros vírus até tem, os antivirais que a gente chama, são poucos os que atuam, para hepatite B, para o vírus de herpes, você consegue às vezes inibir a multiplicação viral. Para covid não foi desenvolvido nenhum antiviral ainda, nem a cloroquina, nem a ivermectina. Nem o remdesivir, antiviral que foi aprovado, mas o uso acabou não sendo tão benéfico e ele inibe pouco a multiplicação viral”, observa.

Kfouri também destaca que a atuação do álcool em gel e do sabão é restrita ao vírus fora do organismo.

“Substâncias como álcool e sabão não vão ter uma ação neutralizando o vírus após o contato com o organismo, nem topicamente, fazendo gargarejo, porque o virus já estará dentro da células e nem com drogas até agora desenvolvidas se encontrou uma maneira de neutralizá-lo”, afirma.

E ele completa.

“O vírus é um organismo intracelular, depende de estar dentro da célula, quando ele está na superficie, ambiente, se consegue neutralizá-lo com substâncias par inavitá-lo, uma vez que entra na celula, invada, usa o maquinário da célula para se multiplicar, não há mais drogas que agem nessa situação.”

Para Bacha, tal descoberta ainda necessita de um tempo de observação. Para, aí sim, surgir, inclusive por meio do acaso, como ocorreu com a penicilina, quando, em 1928, o cientista inglês, Alexander Fleming, percebeu de repente que uma amostra de bactérias Staphylococcus foi contaminada com um fungo, do gênero Penicillium, que tinha a capacidade de inibir a multiplicação de bactérias, criando o antibiótico.

“Até agora não encontramos um princípio ativo, como antibacterianos ou antivirais, que funcionam diferente para a covid-19. O remédio para o HIV, por exemplo, demorou muito tempo para ser desenvolvido”, acrescenta.

Isso não quer dizer, no entanto, que a busca por um medicamento não esteja em um estágio avançado, já que os recursos científicos têm dado mostras de que, com eles, muitas descobertas têm se acelerado. Como no caso da própria vacina contra a covid-19, desenvolvida em menos de um ano, algo inédito na história.

Para Bacha, quando a descoberta se apresentar, só haverá uma maneira de saber se ela poderá ser utilizada.

“Toda a terapia é válida quando, comprovadamente, os benefícios são maiores do que os malefícios.”

Fonte: R7

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui